SOMAFEL e TEIXEIRA DUARTE executam maior obra de linha ferroviária nova dos últimos 100 anos em Portugal

Foi consignada ao consórcio liderado pela SOMAFEL – Engenharia e Obras Ferroviárias, S.A. e onde também participa a Teixeira Duarte – Engenharia e Construções, S.A. a empreitada de Via e Catenária entre Évora e Elvas/Fronteira e a construção do subtroço entre Évora e Évora Norte. O auto de consignação foi assinado no passado dia 14 de julho na sede das Infraestruturas de Portugal (IP) com um valor de 87 milhões Euros e prevê um prazo de execução de 935 dias.

A empreitada inclui a construção das superestruturas de via e catenária entre Évora e Elvas/Fronteira, e construção civil – obra geral – do subtroço Évora – Évora Norte, na nova Linha de Évora. Considerada a maior obra de linha ferroviária nova dos últimos 100 anos em Portugal, o subtroço Évora – Évora Norte integra o traçado da nova Linha de Évora, com cerca de 100 quilómetros de extensão, dos quais 90 quilómetros são totalmente novos, entre esta cidade e a Linha do Leste, na ligação com Espanha. A obra integra o Corredor Internacional Sul, no âmbito do Programa Ferrovia2020.

Os principais trabalhos a desenvolver são:

  • Construção de um novo canal ferroviário;
  • Construção das instalações fixas de tração elétrica necessárias à eletrificação;
  • Construção das pontes ferroviárias de Xarrama, Degebe e Vale Figueira;
  • Via-férrea, permitindo velocidades de 250km/h;
  • Catenária, permitindo velocidades de 300 km/h;
  • Instalação de infraestruturas necessárias à sinalização eletrónica e telecomunicações;
  • Instalação do sistema de retorno de corrente de tração e terras de proteção.

O novo canal ferroviário em construção entre Évora e a Linha do Leste, na ligação com a fronteira, foi criado numa lógica de desenvolvimento evolutivo das ligações ferroviárias a Espanha, no quadro da Rede Transeuropeias de Transportes (RTE-T) e da ligação ferroviária de mercadorias entre os portos portugueses e o resto da Europa, assegurando desde logo uma ligação de passageiros.

Teixeira Duarte cria Centro de Produção de Armaduras no seu Polo Operacional no Montijo

A Teixeira Duarte – Engenharia e Construções, S.A. criou uma nova área de apoio à produção no seu Polo Operacional no Montijo. Inaugurado em 2011, o Polo Operacional Teixeira Duarte no Montijo está instalado numa área superior a 130.000 m² e inclui áreas dedicadas às atividades de metalomecânica, áreas de trabalhos em equipamentos, um Laboratório de Materiais, um Centro de Produção de Betões, entre outras estruturas operacionais de suporte.

A unidade operacional agora criada – o Centro de Produção de Armaduras (CPA) – visa industrializar as atividades de preparação, corte e moldagem de aço para montagem de armaduras.

Para tal, o CPA encontra-se equipado com diferentes mecanismos e soluções tecnológicas que automatizam os diversos processos construtivos, libertando grande parte do trabalho manual associado aos mesmos e contribuindo para o aumento da eficiência e produtividade em contexto de obra.

A primeira empreitada a integrar os elementos pré-fabricados pelo CPA é a obra de construção da residência universitária “BigCity Asprela”, no Porto.

Certificação do Centro de Produção de Betões da Teixeira Duarte

O Centro de Produção de Betões (CPB) da Teixeira Duarte – Engenharia e Construções, S.A., localizado no Polo Operacional do Montijo, obteve recentemente a Certificação do Controlo de Produção segundo a Norma Europeia EN206-1:2007 + Emenda 1:2008 + Emenda 2:2010, passando a poder dar resposta a qualquer tipo de betões e classes de inspeção requeridos pelos mais exigentes projetos.

O CPB foi criado em 2019 com o objetivo de aumentar a competitividade e autonomia das empreitadas da Empresa, tendo produzido até à data 65.000 m3 de betão que serviram um universo de 28 empreitadas na região da Grande Lisboa.

1921 – 2021: 100 anos de Teixeira Duarte

Reportando o seu início à atuação do seu fundador, Engenheiro Ricardo Esquível Teixeira Duarte, a Teixeira Duarte foi alargando a sua atividade desde a captação de águas e realização de furos artesianos, à Geotecnia e Fundações, às Edificações e, mais tarde, às Infraestruturas e a todas as demais áreas da Construção, incluindo, umas décadas depois, os setores das Concessões e Serviços, Imobiliária, Hotelaria, Distribuição e Automóvel.

Hoje, após 100 anos, o conjunto de mais de 180 empresas que constituem um dos principais Grupos Económicos Portugueses, assegura uma atuação em mais de 20 países, em quatro continentes, pelo empenho e dedicação de 9.000 colaboradores.

Um trajeto assente em Engenho, Verdade e Compromisso, que nos orgulha, que nos ensina e que nos inspira a continuar a “Fazer, contribuindo para a construção de um mundo melhor”!

Teixeira Duarte assina contrato de Empreitada para Prolongamento do Quebra-Mar do Porto de Leixões

No passado dia 15 de dezembro, a Teixeira Duarte – Engenharia e Construções, S.A. assinou o contrato para execução, em consórcio com as empresas Dredging International NV e Tecnovia, S.A., da Empreitada do Prolongamento do Quebra-Mar Exterior e das Acessibilidades Marítimas do Porto de Leixões, para a Administração dos Portos do Douro, Leixões e Viana do Castelo (APDL).

A Teixeira Duarte será a empresa líder do consórcio com uma participação de 40%.

A obra, que permitirá ao Porto de Leixões receber mais de 70% da frota de navios mundial e continuar a servir o hinterland que abrange 14 milhões de habitantes, tem um prazo de execução de 30 meses e foi adjudicada pelo valor de 130,2 milhões de Euros.

A empreitada integra fundamentalmente três frentes de atuação:

  • Prolongamento do Quebra-mar Exterior, numa extensão de 300 m, composto por solução estrutural convencional de quebra-mar de taludes, composto por núcleo e filtros de enrocamento e por mantos de proteção de blocos de betão Antifer;
  • Acessibilidades Marítimas, contemplando o aprofundamento do canal de acesso e da bacia de rotação por dragagem de material incoerente e rochoso, para além da demolição parcial do Molhe Norte numa extensão de 80 m e reacondicionamento da sua testa em posição mais recuada;
  • Reparação da Caleira Técnica, entre o enraizamento do Quebra-Mar Exterior e o Posto A, órgão dedicado à passagem de condutas do Terminal Petroleiro de Leixões (TPL).

Segundo a APDL, a dimensão média dos navios que procuram o Porto de Leixões tem vindo a crescer – um aumento de 77% entre 2006 e 2018 –, sendo primordial garantir as condições de segurança e navegabilidade destas embarcações.

1 2 3 6